Pr. Jailson Santos

Seja Bem-vindo!

#Curta nosso blog

Role a página e encontre artigos, sermões e aulas

#Compartilhe nossas ideias

Use as redes sociais para nos ajudar a divulgar a fé reformada

Volte sempre que precisar

Nossa home fica aberta 24h!

Blog

Estudo Exegético - Salmo 96


Em 2017 Pregarei lá! Borá?




_______________________________________________________________________________


Baixe os slides das três primeiras mensagens da série Abra os ouvidos:
Apocalipse 2: 1-7 - Tudo Novo de NovoSlides: http://goo.gl/XaKbXy
Apocalipse 2: 8-11 - Continue Firme!Slides: http://goo.gl/RZm3lA
Apocalipse 2: 12-17 - Tolerância Zero!Slides: http://goo.gl/HCzOG5

Assista os vídeos das três primeiras mensagens da série:

Apocalipse 2: 1-7 - Tudo Novo de Novo!
Vídeo:https://goo.gl/WrZ2w2

Apocalipse 2: 8-11 - Continue Firme!
Vídeo:https://goo.gl/l1wR2u



Apocalipse 2: 12-17 - Tolerância Zero!
Vídeo:https://goo.gl/ZMEkby

___________________________________________________________________________________

INTRODUÇÃO

A Soberania de Deus é um dos principais pontos da teologia reformada. Esta verdade é encontrada em varias partes da Bíblia. Nos salmos encontramos uma seção inteira dedicada a este tema (salmos 93 – 100). Estes salmos conhecidos como “salmos de realeza” ou “salmos da soberania de Deus”, trata-se de hinos cujo motivo central é a proclamação de Deus como SENHOR único do universo e da história. Neles, a realeza do SENHOR é manifesta de maneira progressiva: Primeiro ele reina sobre o seu povo e depois seu Reino se projeta para consumação final onde Ele é reconhecido por todas as nações.
O presente trabalho visa estudar a realeza de Yahweh presente no salmo 96. Tentar-se-á, a partir, do método histórico-gramatical extrair o sentido original proposto pelo autor para os seus leitores e ouvintes originais. Para isto, o texto será estudado em sua língua original, a fim de obter uma tradução literal do mesmo, tentando respeitar ao máximo o sentido das palavras e sua análise lexicográfica. Em seguida, será feita uma comparação desta tradução com pelo menos mais três versões, para compreender o presente texto em uma linguagem mais comum a todos os leitores desta análise, já que o objetivo final deste trabalho é a pregação e no ensino da Palavra de Deus para todas as épocas.
Daremos também atenção aos principais aspectos gramaticais, com o fim de delimitar corretamente as cláusulas presente nesta poesia, identificando os verbos, a pessoa, o gênero, o número e os sujeitos dos mesmos, que nos ajudará a estruturar o texto dentro de suas divisões naturais. Será considerado também o estudo do gênero literário, o qual lançará luz no entendimento da mensagem do texto para sua época, e a partir dela, perceber o significado para todas as épocas.
Não pretendemos aqui esgotar o assunto em sua inteireza, pois o mesmo é amplo. O que esta pesquisa deseja é estudar e entender o real sentido do texto, afim de, por meio de uma linguagem entendível a todos, aplicar as verdades estudadas ao contexto atual da igreja. Esperamos que este estudo sirva de incentivo à Igreja, para que erga os olhos e caminhe consciente de sua tarefa de reconhecer a soberania do Senhor e proclamá-la a todas as nações da terra.

 

PARTE I

ESTUDO TEXTUAL


1.1. APARATO CRÍTICO


O salmo 96 tem uma quantidade relativamente grande de variantes no aparato crítico, entretanto, a maioria deles, estar relacionada à comparação entre ele e os demais salmos encontrados em 1 Cr. 16: 23-33 e Sl. 29: 1,2 (de modo especial 1 Cr. 16: 23-33), os quais são usados pelo autor, como base para a poesia como temos aqui. Por essa razão, há poucas notas de grande relevância para o real entendimento do mesmo. Sendo assim, nos atentaremos para aqueles que nos ajudam na discussão do contexto do mesmo ou de palavras chaves para o entendimento da seção.
No salmo 96 verso um temos a seguinte nota: 𝔊 τε οκος κοδομετο μετ τν αχμα λωσίαν· δ τ Δαυιδ.
Seu significado é que a LXX tem um título para este salmo: “Quando a casa foi construída após o cativeiro, uma canção de Davi”.[1] Há um debate sobre o autor e a data deste salmo. Provavelmente parte dele escrito originalmente por Davi como parte de um salmo que já foi utilizado quando ele trouxe a Arca da Aliança à Jerusalém (Cf. 1 Cr. 16: 23-33). Assim, talvez um escriba mais tarde tomou a composição original de Davi e modificou para a versão que temos aqui para a celebração do segundo templo. A maioria dos estudiosos tem entendido que este é um salmo anônimo escrito provavelmente após o cativeiro babilônico.
Em 96 temos no verso um, temos ainda, a seguinte nota: b-b > 1 Cr. 16, 23; e no verso dois a-a > 1 Cr. 16, 23. Seus significados são: No verso um é omitido em 1 Crônicas 16: 23 a seguinte parte: “Cantai ao SENHOR um cântico novo”. E no verso dois é omitido em 1º Crônicas 16: 23 a seguinte parte: “cantai ao Senhor bendizei o seu nome”.[2] Ambas as omissões apontam para o a tese que defendemos neste trabalho, que este é um salmo anônimo e provavelmente pós-exílico, onde um escriba usou como base 1 Cr. 16: 23-33 para fazer a versão que temos aqui.
No verso 9 temos a seguinte nota: 9 a 𝔊 (𝔖) ἐν αὐλῇ = tr:d>h;B. Seu significado, é que na LXX e na Síríco/ Peshita a expressão ἐν αὐλῇ (“no átrio”) é uma retroversão de tr:d>h;B (“na beleza” ou “no esplendor”).[3] É provável que LXX foi o influenciada por uma 1 Cr. 16:27.  A tradução desse termo tem sido fonte de grande debate ao longo da história. Tradicionalmente tr:d>h é retirado הr:d>h, “ornamento”, “enfeite”/ “esplendor” (ARA: “beleza da santidade”).  A leitura  “beleza da santidade” ou “esplendor sagrado”, foi interpretada pelos mais velhos comentaristas de fala inglesa, em um sentido espiritual, a beleza de obras santas e disposição por parte do adorador. A leitura da LXX ἐν αὐλῇ ἁγίᾳ αὐτοῦ (“no átrio de sua santidade”) é uma leitura seguida de Calvino e, é também refletida em alguns comentários mais antigos como por exemplo o de Jerônimo.[4] 
A interpretação como “traje santo” também é bem estabelecida, aparecendo como uma leitura marginal na nova versão. Uma linha mais recente da interpretação tem seu ponto de partida da hdrt palavra ugarítico (texto Keret CTA 14.3.155), traduzida como “visão” “aparição “sonho”, com a suposição de que algum tipo de aparição teofânica de uma divindade está envolvida, ou em pelo forte sentimento da presença de uma divindade.  Se בהדרת refere-se ao Senhor e não para os fiéis, é melhor tomá-lo como “esplendor”. A idéia é a de estar vestido com roupas brilhantes (cf. passagens tais como Jó 40:10, Sl 104:1, Pv. 31:25), ou simplesmente a dignidade real de um rei e sua corte (cf. Pv. 14: 28; cf Howard, Estrutura, 88-89).[5] Todavia, o conceito de teofania é refletido no salmo, mas não deve ser levado tão rigidamente em palavras específicas.[6] (veja na comparação de versões a nossa tradução e a justificativa para a mesma).

1.3.1. Convergências e divergências entre as traduções.


A comparação entre as versões e a nossa própria tradução revela que há poucas diferenças entre elas. Aqui citaremos as mais importantes que convergem ou divergem das versões mais tradicionais.
No verso 4 mantemos a palavra “mui” como na ARA, pois, destaca a ideia de intensidade do louvor.
No verso 5 a NVI não contempla o segundo yKiÛ (porque). Preferimos assim como a ARA e PJFA mantê-lo e assim seguir o texto original.
No verso 6 traduzimos “diante dele” (ARA, NVI e PJFA) ao invés da forma mais literal “ante sua face” que enfatizaria mais a ideia da presença de Yahweh, pois é uma tradução que expressa a mesma ideia e é mais comum.
Nos versos 7 e 8 preferimos a tradução “Dai” como na NVI, que ‘tributai” como na ARA e PJFA, porque a raiz verbal primitiva traz essa ideia[8] e ela expressa melhor a ideia de dar a Deus o que lhe é devido.
No verso 9 preferimos a tradução “curvem-se”, ao invés de adorai (ARA, PJFA, NVI), pois exprime melhor a ideia original e evita confusão com a ideia contemporânea de “adoração”.
Traduzimos no verso 9 a expressão vdh;B como “em seu esplendor sagrado”, pois tem sido a tradução de muitos comentaristas antigos. Além disso, essa tradução traz a idéia de alguém que estar vestido com roupas brilhantes (cf. passagens tais como Jó 40:10, Sl 104:1, Pv 31:25), ou simplesmente a dignidade real de um rei e sua corte (cf. Pv. 14: 28). O que tem tudo haver com os salmos de realeza.[9] Além disso, “seus átrios” no verso 8c sugere que o elemento correspondente em 9ª vdh;B. hw"hyl;â Wwæx]T;v.hi (“Curvem-se diante Senhor em seu esplendor sagrado”) deve referir-se ao Senhor e não para os fiéis.[10]
No verso 10, apesar do verbo “julgar” estar no qual imperfeito preferimos a tradução no futuro como NVI e PJFA e não no presente como a ARA, pois, a ideia aponta para uma realidade escatológica e em outras partes do salmo o julgamento traz uma ideia é futura.
Traduzimos “diante de SENHOR” (parte do verso treze em ARA, NVI e PJFA), como parte do verso 12, pois entendemos que no yKiÛ (porque) é que começa uma nova ideia.
Finalmente, no verso 13, não omitimos o segundo yKiÛ (porque), como faz as demais versões, apenas para manter o aspecto original do texto e assim preservarmos a ideia estrutural.

PARTE II

MENSAGEM.


2.1. ESTRUTURA DO SALMO


Alguns salmos de realeza seguem a estrutura de um hino de louvor. O salmo 96 não foge a regra. Ele possui três seções, (1-6; 7-9; 10-13) as quais são marcadas por imperativos, mas que para fins exegéticos pode ser dividido em quatro partes:

I. Uma convocação a toda a terra para cantar um cântico novo (V. 1-3)
II. As razões pelas quais toda a terra deve louvar o Senhor (V. 4-6)       
III. Uma convocação a todos os povos para adorar ao Senhor (V. 7-9)
IV. Uma convocação a todas as nações para anunciar o reino do Senhor (V. 10-13)


 
                                                                                                           
Uma das características da estrutura é que o poeta corajosamente convida toda a terra, todos os povos e todas as nações para louvar e proclamar a vontade do Senhor Rei, como vemos na primeira parte. Está verdade, mesmo que ainda não tão clara para os israelitas, está profundamente associada com o tema missionário no Velho Testamento.
A segunda parte mostra as razões e até mesmo o conteúdo do louvor, isto é, Yahweh é o unico Deus e os ídolos são inúteis e de nenhum valor.  Além disso, o Senhor está envolto em o esplendor, majestade, força e beleza. É digno de nota que está segunda parte estar intimamente ligada a anterior e as posteriores. Ela funciona como um elo entre as partes e todas as verdades expressas no salmo passa pelas declarações dos versos 4-6. Como veremos, tanto o louvor, como o tributo e a proclamação estão ligadas ao fato de Yahweh ser o unico Deus e Rei e os ídolos serem inúteis e de nenhum valor.
Assim, diante do que foi dito na segunda parte, o salmista convoca todas as famílias dos povos para adorarem ao SENHOR e reconhecer a sua glória (terceira parte) e finalmente, a anunciar entre as nações que %l’ªm’ hw”Üh«y> (Yahweh mâlak – “Yahweh Reina”).

2.2. GÊNERO LITERÁRIO


A definição do gênero literário do salmo 96, como a de outros, é discutível. Alguns, por meio do estudo do “contexto vital” (Sitz im Leben),[20] o definem como sendo um dos hinos reais de “entronização”. Estes estudiosos, que normalmente seguiam a estrutura proposta por Gunkel, entendem que certas composições surgiram de situações especiais dentro da dinastia de Jeru­salém. Nesse sentido este salmo era usado para o Rei de Israel em ocasiões especiais, cerimônias estas, talvez repetidas anualmente.
Essa teoria está baseada, também, na festa akitu do ano novo babilônico, durante o qual um ídolo do deus Marduque era carregado pelas ruas da Babilônia e, após um ritual complicado, era finalmente restabelecido sobre a cidade por mais um ano. Entende-se aqui que os israelitas adotaram um cerimonial de reentronização semelhante para Yahweh sobre Israel e citaram passagens confirmatórias de vários Salmos.[21] Além disso, alguns estudiosos tem argumentado que ele representava também a entronização do próprio Yahweh como Senhor das nações, e que eram usados como liturgias para algum tipo de cerimônia que celebrasse o acontecimento.[22]
Entretanto, os salmos citados como evidência para uma festa de entronização divina são mais naturalmente compreendidos de outra forma. Davi, por exemplo, parece ter escrito o Salmo 24, exatamente como fez l Crônicas 15.8-26, para comemorar vinda da arca para Jerusalém de uma vez por todas.[23] Os salmos 95-100, por exemplo, louvam o reinado de Deus, porém, mais seu governo geral sobre toda a criação do que seu poder particular sobre Israel, e mais sua entronização celestial do que seu reinado em Jerusalém. A frase %l'ªm' hw"Üh«y> sig­nifica simplesmente “Yahweh é rei” ou “Yahweh reina” (como traduzimos no presente trabalho), sem qualquer sugestão de que este possa ter sido um processo repetido.[24]
Além disso, segundo Livingston, o próprio conceito de uma entro­nização de Yahweh está aberto a críticas severas em pelo menos a três questões:[25] (1) Parece fun­damentalmente improvável que o povo de Deus tenha tomado emprestada uma liturgia pagã da Babilônia, não apenas as formas externas, mas também o significado interno de uma festa pagã. (2) Permanece o fato de que a Escritura não contém testemunho direto dessa festa, o que é estranho se ela fosse tão importante tão penetrante como sustenta está teoria. (3) Finalmente, a ideia de um governo localizado de Deus,[26] que seria até mesmo competente, deixa nas mãos dos homens a necessidade de entronização,[27] e vai contra o principal impulso teológico do AT. Assim, essa teoria permanece tanto inaceitável teologicamente quanto historicamente insustentável.[28]
A segunda e mais provável definição do gênero literário, atribuída aos salmos 96 é: “Salmo da realeza do SENHOR”. Sua estrutura assemelhasse a dos hinos de louvor, nos quais, Deus é louvado por quem ele é e por suas ações de poder e misericórdia. Eles normalmente incluem a seguinte estrutura: uma convocação ao louvor, expressa por meio de imperativos, uma ou mais razões para o louvor e uma demonstração de fé. Sendo assim, o que os distingue os salmos de realeza, como grupo a parte é a aclamação: “O Senhor Reina” ou é “Rei”. Dessa maneira, trata-se de hinos cujo motivo central é a proclamação de Deus como Senhor Único do universo e da História. Assim, como diz Fee “o assunto principal é tratar a soberania universal do SENHOR”.[29]
Neles, a realeza do SENHOR é manifesta de maneira progressiva: Primeiro ele reina sobre o seu povo e depois seu Reino se projeta para consumação final onde Ele é reconhecido por todas as nações. Por essa razão nesses salmos dois componentes são usados: uma exortação no plural, chamado retórico as nações e a criação para o louvor a Yahweh e os motivos do louvor. Alguns têm alguns aspectos escatológicos (ambos estão presentes no nosso salmo). “cântico novo” que se refere ao cântico da libertação final, quando o Reino de Deus estiver plena e definitivamente estabelecido; e “o SENHOR vem” que é uma descrição, também da vinda do Senhor e a concretização de seu Reino.[30] Finalmente é digno de nota que embora estes salmos não se refiram a um rei davídico, as Escrituras sugerem que o conteúdo profético de tais salmos se cumprirá na segunda vinda de Cristo. Essa será a linha que seguiremos no presente trabalho.

2.3. MENSAGEM

Para entendemos a mensagem de qualquer texto bíblico, faz-se necessário, entre outras coisas, entender o propósito e os destinatários do mesmo. No que se refere aos salmos isto nem sempre é claro ou possível. Por outro lado, quando o entendimento desses elementos é possível ela lança luz sobre todo salmo. Por essa razão, tentaremos, através do estudo do contexto canônico entender o propósito e os possíveis destinatários da poesia que temos em mãos.

2.3.1. Contexto canônico do salmo 96. [31]

Os salmos de realeza, como outros salmos, têm como características comuns, a falta de uma exata indicação de autoria e de um momento contextual definido. O salmo 96 não foge a esta regra. Há um debate sobre o autor e a data deste salmo. Sabe-se que grande parte dele foi escrito originalmente por Davi quando ele trouxe a Arca da Aliança à Jerusalém. (Cf. 1 Cr. 16: 23-33). Alguns intérpretes têm entendido que talvez um escriba mais tarde (provavelmente após o cativeiro babilônico) tomou a composição original de Davi e modificou para a versão que temos aqui para a celebração do segundo templo. Sendo assim o salmo 96 é anônimo e pós-exílico.[32]
            No entanto, muitos estudiosos contemporâneos têm buscado o entendimento contextual do livro dos salmos na maneira em ele foi editado. Já é sabido por todos, que a coleção de salmos é dividida em cinco partes, também conhecida como livros (Livro I: 1 - 41; Livro II: 42 -72; Livro III: 73 - 89; Livro IV: 90 - 106; Livro V: 107 – 150). Muitas têm sido ao longo da história as propostas para explicar esta divisão. Uma delas tem afirmado que o livro de salmos como temos hoje foi organizado no após o retorno de Israel do exílio babilônico e em um período de grandes dificuldades para a nação de Israel, por ser um tempo de reconstrução tanto da cidade como do templo. Segundo esta linha de raciocínio a edição ajuda-nos a entender os dilemas e esperanças da época.[33]
            Está proposta faz sentido quando estudamos os salmos de realeza a luz do seu contexto interno e dos demais livros dos salmos. Olhando atentamente para o livro três, percebemos que o tom é de suplica por causa da decadência nacional. Segundo o Rev. Dario, O ponto alto desta súplica se encontra no último salmo da série onde lemos:[34]

“Que é feito, Senhor, das tuas benignidades de outrora, juradas a Davi por tua fidelidade? Lembra-te, Senhor, do opróbrio dos teus servos e de como trago no peito a injúria de muitos povos, com que, SENHOR, os teus inimigos têm vilipendiado, sim, vilipendiado os passos do teu ungido”. (Sl. 89. 49 – 51).

Etã lembra que Deus prometeu um reino eterno e glorioso à descendência de Davi. Todavia, parece que Deus está se esquecendo, afinal Jerusalém está arrasada. Até mesmo o retorno do exílio e a reconstrução de Jerusalém, não resolvem o problema, pois Judá ainda estava cativa de nações estrangeiras. Assim, questão de Etã ainda permanece: “Que é feito, Senhor, das tuas benignidades de outrora, juradas a Davi por tua fidelidade?”
Rev. Dario, observa ainda, que a resposta a esta pergunta é dada no livro IV e é dupla: 1) Os descendentes de Davi não reinam, mas o Senhor Reina sobre tudo e todos. (Salmos 90 – 100).  2) Era necessário que o descendente de Davi fosse fiel e Justo para que pudesse reinar, ou seja, era preciso que um filho de Davi atendesse esses requisitos (A partir do salmo 101).[35] Nesta serie de salmos, Deus é apresentado como Rei de maneira progressiva. Primeiro, Ele reina sobre o seu povo; depois sobre as nações e finalmente sobre todas as coisas, inclusive a toda criação, como vemos em nosso salmo. Carl Bosma mostra essa progressividade do reinado do SENHOR, dizendo que no Salmo 95.6-7 Israel é convidado a vir e a se submeter ao Senhor, o grande Pastor-Rei; no Salmo 100.3 esse convite é agora estendido a “todos os habitantes da terra”. Como resultado, os salmos 95 e 100 servem de moldura para os Salmos 96-99.[36]
A seção que o nosso salmo se encontra (90 – 100), começa com o salmo 90 (salmo de Moises), o editor mostra que o relacionamento de Deus com o seu povo é anterior a Davi. Salmos 91 e 92 fala que Deus reina e cuida de nós, independente dos agentes humanos. Salmo 93 O senhor reina e ninguém mais. O salmo 94 apesar de não ter a palavra rei, fala de um dos aspectos do Reinado a justiça. O Senhor é o Juiz! O salmo 95 fala de um rei celebrado pelo seu povo. O salmo 96 fala reinado sobre todas as nações. Salmo 97 é o ápice da série, e descreve a chegada de Deus para manifestar seu Reino. Enquanto o 96 fala de um Rei que vem, o 97 fala de um Deus que veio e Reina. A série se encerra mostrando que o Rei deve ser celebrado e que ele se utiliza de instrumentos terrenos para exercer sua soberania. O salmo 96 apresenta o SENHOR como àquele que Reina soberanamente sobre todas as nações.
Uma vez que entendemos o contexto deste salmo, passaremos analisar de forma mais detalhada o seu conteúdo. Devido a sua riqueza exegética, teológica e prática não teremos condições de analisar todas as importantes nuanças do mesmo, nos concentraremos aqui naquilo que é essencial para entendermos a mensagem principal para época e para todas as épocas.

2.3.1. A MENSAGEM DO SALMO 96.

Como já dito acima o salmo 96 tem sido tradicionalmente divido em três seções. A ideia da primeira seção é que o Senhor é aquele que deve ser louvado e anunciado por toda a terra, porque Ele é o verdadeiro Criador, Deus, enquanto todos os deuses não são nada. (1-6). Ela, entretanto, se divide em duas partes compostas de: uma convocação para Israel e todas as terras louvar ao SENHOR e anunciar sua glória (1-3); e as razões deste louvor (4-6). Começaremos analisando esta convocação.

2.3.1.1. Convocação para Israel e todas as nações louvar ao SENHOR e anunciar sua glória (1-3).


Nesta primeira parte temos uma série de seis imperativos, dos quais três estão no tronco que traz a ideia de uma ação ativa simples (Qal) e três são usados com um sentido de fazer algo com intensidade (Piel - como na voz média do grego: “com empenho”).[37] Todos estes imperativos apontam para uma ordem positiva vinda do SENHOR.[38]
Nos versículos 1 e 2a há uma tríplice repetição do verbo “Cantar”. Esta repetição era um recurso da poesia hebraica usada para enfatizar a ideia e mostrar a importância da exortação. Após convocar de forma veemente o salmista dar algumas características deste louvor.
Primeiro, ele diz que este louvor deve ser um novo cântico. Está expressão “Cântico novo”, juntamente com “O SENHOR Reina” e “Ele vem” são expressões que servem de fundamento do aspecto escatológico e é o que difere os salmos de realeza dos salmos de louvor. A nova canção se refere ao cântico da libertação final, quando o Reino de Deus estiver plena e definitivamente estabelecido.
Em segundo lugar, o salmista diz que este louvor é um cântico sem fronteiras, pois a convocação é para “todas as nações”. Observe que em todo o salmo não aparece as palavras Israel e Jerusalém. Este louvor é um cântico que ecoa além dos muros do templo e do arraial judaico, pois é cantado pelo “coral” formado de pessoas de todas as nações. A ideia de totalidade rege o salmo, ela é repetida nas três seções. O salmista mostra que: todas as terras deveriam louvar ao SENHOR; ele deveria ser anunciado entre todos os povos; porque ele é maior que todos os deuses; por isso, todas as terras deveriam tremer diante dele; e todas as árvores deveriam regozijar-se. Essa repetição da ideia de totalidade faz parte do propósito central do salmista expressado no primeiro versículo: “cantai ao Senhor todas as terras”. Aqui temos encontramos não apenas a tônica, mas também a ideia central do salmo.
Em terceiro lugar, o salmista expõe que este louvor é um cântico de “exaltação”. Ele diz no verso 2b que o nome de Yahweh deveria ser bendito. O verbo traduzido por “bendizei” (Wkår]B'), traz a ideia de falar bem do nome de Yahweh, o qual é excelente e glorioso. Ele encontra-se no piel (uso mais comum deste verbo bendizer) e muitas vezes é traduzido como “abençoar”. Normalmente, no AT a bênção era transmitida de uma pessoa que estava numa posição maior para uma na posição inferior. Tal tratamento tornou-se um meio formal de expressar agradecimento e louvor a uma pessoa por ter compartilhado um benefício de sua vida. É bastante comum que o SENHOR seja tratado dessa forma. A bênção no AT está diretamente ligada à natureza bondosa de Deus, que neste salmo é expressa por meio de sua salvação.
Em quarto lugar, o salmista expõe que este louvor é um cântico “evangelístico”. Esta ideia esta presente nos dois imperativos dos versos 2c e 3ª. O primeiro verbo que expressa essa ideia é proclamai” (WrïF.B).  Este verbo tem a ideia de “trazer notícias”, e no Antigo Testamento está intimamente ligado a “boas notícias”.[39] Esta era uma palavra usada para se referir a “notícia” trazida por um aurato da vitória de uma guerra. Por exemplo, em Isaías 41:25-29, um mensageiro (WrïF.B) vai trazer a notícia a Jerusalém que o Senhor fez para nascer “um do norte” (Ciro), que irá fazer a vontade do Senhor para a salvação de Israel.[40]
A boa notícia a ser dada é a da obra salvadora do Senhor. Uma vez que o Senhor é o grande rei, juiz e divino guerreiro, ele é aquele que por meio de sua aliança, pro­videncia socorro legal e proteção para o seu povo quando esse estiver passando por aflição (cf. SI 76.9). Assim, salvação tinha dois aspectos para o ouvinte da época. Num aspecto negativo, significava o livramento dos perigos físicos e da morte. Positivamente, participação nas vantagens de ser um hebreu e possuir tudo que a Lei provia. O salmista termina a frase dizendo que esta boa notícia deveria ser espalhada “dia após dia”, isto é, algo frequentemente e não só em tempos apontados para as festas solenes. Em outras palavras, as vozes nunca deveriam se calar.[41]
O salmista diz também que a glória de Yahweh deveria ser anunciada. Em sua forma básica verbal, “anunciar”, significa “enumerar ou contar” (Gn. 15. 5). Em alguns casos, o verbo (WråP.s) no troco intensivo (piel), como presente aqui, significa “mostrar” ou “narrar”, porém com um elemento novo, a experiência que o próprio narrador viveu em relação ao que esta narrando. Essa era uma palavra comumente usada para se refere às histórias, contadas ou narradas, pelos pais israelitas aos seus filhos sobre os grandes feitos do SENHOR no decorrer da história.
O que deveria ser narrado a todos os povos são a glória e as maravilhas de Yahweh. A palavra “glória” (Ad+AbK. - kâbôd) significa o esplendor do Senhor manifesto de maneira visível e perceptível. Esta “glória” é ativa, não apenas um conceito estático. Ela estar intimamente ligado com a presença de Yahweh, seu poder e sua ação no mundo. Além disso, Israel e todas as nações deveriam anunciar as “maravilhas” feitas por Yahweh no decorrer da história. A palavra “maravilhas” (wyt'(Aal.p.nI) no troco verbal que se encontra traz a ideia de algo que estar “além da capacidade de alguém”, algo “difícil de fazer”. Em outras palavras coisas grandiosas que somente Deus poderia fazer e que é tão extraordinário que muitas vezes foge a compreensão humana.[42] Em suma, podemos ver que esta mensagem “evangelística” visava despertar a alegria e a fé no Senhor, como as nações passaram a entender ao longo da história que ele reina sobre todo o mundo.[43]
Uma das questões que precisam ser respondidas nesta seção é a quem esta convoção é direcionada, isto é, a Israel, a todas as nações ou a ambos. Esta é uma questão sem concenso entre os comentaristas. Os elementos exegéticos e históricos à luz da analogia das Escrituras e da fé, dão base para mais de uma interpretação. Exegeticamente o sujeito dos imperativos dos versos 1 – 3 é a segunda pessoa masculino plural e de forma indireta apontam para todas as terras. Dessa maneira a convocação é para todas as terras.[44]
Por outro lado, precisamos entender que este salmo no primeiro momento era lido no templo e assim direcionado aos judeus da época da escrita, e logo, era uma convocação para que Israel saisse do seu arraial para a nações. Por essa razão, para não lermos este salmo, apenas a luz do Novo Testamento, e dizermos que ele é direcinado, no primeiro, todos os cristãos, inclusive gentios e assim perdermos elementos importantes do contexto da época; nem lermos apenas dentro do contexto da época e perdermos a sua mensagem para todas as épocas, entendemos, assim como muitos comentaristas (Calvino[45], Keil, C.F. and F. Delitzsch[46]) que os imperativos deste salmo formam uma enfática convocação para Israel (num primeiro momento) e todas as terras[47] (num segundo momento) louvarem ao SENHOR com o novo cântico e anunciar sua glória entre as nações (1-3).
O verso 4 começa com a conjunção “porque” (yK) e aponta para as razões do louvor. Este será o assunto que trataremos a seguir.

2.3.1.2.  As razões do louvor (V. 4 – 6).

A segunda parte da primeira seção, versos 4-6, define as razões ou motivos para louvar ao Senhor. Esta é a forma típica, também, dos hinos de louvor e celebração e, é uma das partes centrais destes tipos de salmos.[48] O uso de yK nos versos 4 e 5 fornece uma dupla ênfase sobre o estado elevado do SENHOR, que é maior (lAdÜg"¬ - gâdol) que todos os outros deuses (~yhi(l{a - 'ĕlôhı̂ym) e mais digno de reverência (ar"îAn - yârê' temível” - ARA) do que qualquer um deles. O segundo yKiî V. 5, amplia e intensifica das declarações no v 4: “todos os deuses dos povos são meros ídolos” (~yli_ylia - 'ĕlı̂ylı̂ym). Além disso, ambos os porques marcam as razões (ou até mesmo o conteúdo) do louvor exigido tanto nos versos anteriores como nos posteriores. Em outras palavras, tanto o louvor ao nome de Yahweh, como o reconhecimento de sua glória e a proclamaçãodo seu Reino estão ligadas ao fato de Yahweh ser o único Deus e os ídolos serem inúteis e de nenhum valor.
No quarto verso, o salmista coloca algumas razões pelas quais, todas as terras devem louvar a Deus. A primeira, é que ele  é grande (lAdÜg- gâdol). Este adjetivo traz a ideia de grande em importância e força.[49] Em segundo lugar, Ele é mui digno de ser louvado, e por isso, deve ser imensamente louvado. Finalmente, Ele é tão grande e poderoso, que todas as nações devem ficar espantadas e admiradas, com a sua grandeza e força. Este temor, por sua vez, é mais do que simplesmente medo, contrário é uma atitude com a qual uma pessoa reconhece o poder e o status da pessoa que é venerada e dando-lhe o devido respeito.[50]
O verso cinco é chave, e nele o salmista convence as nações pagãs de que seus deuses não passam de inutilidade, já que o sentido do termo hebraico ~yli_ylia/[51] ('ĕlı̂ylı̂ym - ídolos) é aplicado aqui aos deuses em tom de desdém, ou de algo que é sem valor. Neste versículo as palavras  yheäl{a/-lK' (todos os deuses) e ~yli_ylia/  ('ĕlı̂ylı̂ym - ídolos) formam um recurso poético chamado de “paronomasia”, que é “a repetição de palavras semelhantes no som, mas não necessariamente em sentido”.[52] Popularmente, usamos o termo “trocadilho” para nos referir a esse recurso. Bullinger lembra, que quando esse recurso é usado, a nossa atenção é chamada para essa ênfase pela semelhança de som, com isso, os olhos e os ouvidos são imediatamente atraídos pela semelhança do som ou aparência e, portanto, nossa atenção é atraída por uma declaração solene ou importante.[53]
 O salmista usa esse recurso ao relacionar as palavras ~yhi(l{a ('ĕlôhı̂ym - deuses) e ~yli_ylia/ ('ĕlı̂ylim  - ídolos) e monta uma frase com palavras parecidas no som e na grafia, mas com significados diferentes e gritantes. Assim, como supra dito ~yli_ylia ('ĕlı̂ylı̂ym - ídolos), significa algo que nada vale; “como se de lia, not (sic) a letra l fosse duplicada para denotar extrema nulidade”.[54] Como a Deidade, real e verdadeiramente, não será encontrada em nenhum outro senão no Criador do mundo.[55] Em outras palavras os idolos ~yli_ylia ('ĕlı̂ylim  - ídolos) podem até se assemelhar a Deus no nome mais nunca na essência e magnificência, pois “o SENHOR fez os céus”. Ele é Deus e o único criador.
O verso seis conclui o pensamento mostrando que “a glória e a majestade estão diante dele e a força e a formosura no seu santuário” (ARA). A palavra traduzida como “glória” (dAh - hôd), é frequentemente traduzida como “esplendor”. Ela é usada para se refere à beleza de um sumo sacerdote em Êxodo 28:2, 40, e a grandeza de um rei em Ester 1: 4, [56]. Seu uso aqui, porém, estar intimamente ligado, a segunda opção e, é uma alusão ao poder e posição superior como aplicada aos reis. O salmista quer mostrar que os deuses não são nada, mas Yahweh tem atributos rei em um grau elevado.
Em nosso salmo, todos estes atributos, estão intimamente ligados à presença de Yahweh. Eles estão tanto “diante de sua face” (wyn"+p'l. la panayv), isto é, sua presença; no seu “santuário” (Av*D"q.mi. - miqdâsh), ou seja, lugar santo onde Deus habita. Isso significa que é na presença de Deus ou em sua morada santa, que se encontra a fonte de todos estes atributos. [57] A ideia é que onde quer que Deus se manifeste, há exposições de glória e majestade, e força e a formosura, as quais deveriam ser reconhecidas por toda terra.[58] Após convocar todas as nações para louvar o nome de Yahweh e dar das as razões para isso, o salmista inicia uma nova seção com uma nova convocação, para que todas as nações reconheçam sua glória, como veremos a seguir.

2.3.1.3.  O Senhor é Aquele a quem todos devem dar glória e força, reverentemente temer e oferecer ofertas diante de sua face. V. 7-9.


Esta seção como a anterior é marcada por outra série de imperativos. Nos versos 7-9 (7 - 10a na ARA) temos mais oito imperativos,[59] onde os três primeiros são repetidos (assim como no verso 1,2, com propósito de enfatizar a ideia) e os outros juntos expressam ideias parecidas, isto é, reconhecer sua glória e adorar seu nome versos 8,9 (assim como nos versos 2,3 louvor o seu nome e proclamação sua salvação), como segue na figura 1.
Em todos esses imperativos temos o reconhecimento inerente que Deus merece ser adorado. Além disso, como já tido antes, as verdades expressadas por esses verbos, nesta seção, estão intimamente ligadas aos versos 4 e 5, que é o pano de fundo de todo o salmo: Yahweh é o unico Deus e os ídolos (~yli_ylia - 'ĕlı̂ylı̂ym) são inúteis e de nenhum valor.
O verbo “dai” (Wbïh' - yâhab – tributai ARA), em seu radical primitivo traz a ideia de “dar” algo (normalmente importante), tanto de maneira literal como figurada, e ele é usada tanto para se referir a Deus, como aos homens. Quando usado para Deus, não quer dizer que alguém estar dando-lhe algo que ele já não tenha, mas atribuindo-lhe algo que ele já tem, e assim, apenas dar-lhe o que é devido.[60] Por essa razão, ele expressa a ideia de reconhecimento reverente. Sendo assim, as nações deveriam reconhecer a sua glória e a sua força propocinalmente a sua margestade.[61]
Assim como no verso um, a convocação em forma de imperativos, é direcionada a toda a terra, aqui chamada de “famílias dos povos” (~yMi_[; tAxåP.v.mi). A palavra “famílias” aqui usada tem o sentido mais forte do que que normalmente é atribuida a ela. Não se trata apenas de pessoas que estão juntas na mesma casa, mas de pessoas que estão unidas por laços fortes ou num círculo de parentes de fortes laços sanguíneos.[62] A ideia é que os gentios de toda terra, não mais seriam como meros “agregados” unidos sem qualquer unidade de laços comuns, mas como pessoas unidas por laços fortes, ligadas pelo sangue e afeição.[63]
Através da luz do Novo Testamento, enxergamos aqui que não seriam apenas os descendentes (sanguíneos) de Abraão que iriam adorar a Yahweh, mas todos os que foram abençoados na descendência dele, por meio seu descendente maior, a saber: Jesus Cristo. Nele todas as famílias se tornaram uma única família, ligadas por um laço sanguíneo em comum, isto é, seu próprio sangue.
O salmista no verso sete usa ainda, um paralelismo de escada ou climático, que acontece quando o autor completa a ideia da primeira linha com outra na segunda linha.[64] Sendo assim, o autor chama atenção dos seus ouvintes e leitores para o que deveria ser atribuído a Yahweh, isto é: “glória” e “força”. A palavra, glória usada aqui difere da usada no verso anterior. Ela está ligada a “honra” dada a Deus através do reconhecimento e confissão de que Deus é Deus (Cf. Sl. 29: 1). Além disso, este termo aponta para a soberania de Deus sobre a terra e, especificamente, para manifestação da sua “glória” no decorrer da história (Is. 40: 5).[65] 
No verso oito, o salmista convida as nações para atribuir a Yahweh a glória devida a seu nome. O nome proclamado no verso 3 aqui deve ser reconhecido. Este nome está intimamente ligado a sua pessoa e obra. O salmista, ainda em tom de convocação diz a todos as famílias: “trazei” (Wa)f literalmente levantar) uma “oferenda” (hx'ªn>mi - minchâh) e “entrai” (Waboï - bô') nos seus “átrios” (wyt'(Arc.x). A palavra aqui traduzida por “oferendas” é o que é comumente usada para designar ofertas “sem derramamento de sangue” e normalmente relacionadas a atos de gratidão e reconhecimento. O salmista completa a ideia do verso dizendo o lugar no qual esse reconhecimento deveria ser dado. Por isso ele convoca a todas as nações dizendo Waboï  (entrai ARA) aos seus “átrios” (wyt'(Arc.x). O salmista, neste caso, faz uma referência ao Templo, o símbolo da presença de Deus no meio do seu povo. O Templo é tido como o centro religioso da nação de Israel. Entrar nos átrios ou nos pátios do Templo, era, simbolicamente, entrar na presença deste Deus, visto que a Arca da aliança estava no Templo e era símbolo da sua presença.
No verso nove, a convocação esta ligada a adoração. A palavra “adorar” (Wwæx]T;v.hi) tem a ideia de “curvar-se”.[66] A palavra “adorar” expressa, também, temor e reverência máxima. No  Salmo 29:1-2 a convocação é feita também aos seres celestiais, aqui diferentimente ela se alarga para toda terra. A ideia é que todas as nações deveriam prostrar-se diante de Yahweh e reconhecer sua grandeza e que tudo o que lhes pertencia eram dele e vinham dele.[67] Essa adoração deveria ser feita no “esplendor da sua santidade” (vdh;B.), isto é, no lugar onde Deus se manifestava de forma gloriosa. “Seus átrios” no verso 8c sugere que o elemento correspondente em 9a vdh;B. hw"hyl;â Wwæx]T;v.hi (“Curvem-se diante Senhor em seu esplendor sagrado”) deve referir-se ao Senhor e não para os fiéis.[68] Se no verso anterior os gentios são convidados para virem aos átrios, aqui eles são convidados a adorar a Yahweh vdh;B (no seu esplendor sagrado).
Para Calvino, aqui há também, uma referência ao fato de que “os gentios seriam erguidos para uma nova honra ao se associarem ao mesmo corpo com o povo eleito de Deus. Ao tempo em que este Salmo foi escrito, geral­mente se julgava escassamente crível que as nações pagãs fossem admitidas no templo em companhia da santa semente de Abraão”.[69]
Finalmente, O salmista convoca toda terra a “tremer” (Wlyx) diante do Senhor. Esta palavra originalmente expressa “a mais profunda admiração”. Calvino destaca que “esta expressão tem o propósito de gerar em nós uma profunda reverência pelo templo, para que os homens se aproximem dele com humilde temor, em vez de precipitar-se na presença de Deus sem uma reverente pondera­ção”.[70]
Nestes versos há uma alusão aos reis das nações ao redor de Israel; os quais ficavam, sentados de forma majestosa, com todas as marcas de honra real e dignidade sobre eles, e recebiam de indivíduos atribuições de glória, levando presentes em suas mãos, e curvando-se para o chão, antes deles. Com esse paralelo em mente o salmista mostra que estes atos de reconhecimento deveriam ser direcionados de forma consciente ao único Rei que é digno dessa adoração.
A seção termina com o último imperativo da série: “Dizei” (WrÜm.ai.). Este verbo no troco verbal que se encontra aqui (Hitpael) traz a ideia forte de “agir orgulhosamente”.[71]  Poderia ser traduzido por “dizer orgulhosamente”.[72] Além disso, traz a ideia de uma comunicação direta da verdade.[73] O autor volta a questão já colocada no verso 3, onde ele convoca Israel e as nações dizendo: proclamai” (WrïF.B.) sua salvação e “anunciai” (WråP.s.) a sua glória. Obseve, também, que no v. 3 ele diz que Israel e todas as nações deveriam anunciar a suas maravilhas, isto é, o que Deus já fizera no passado. Agora ele manda anunciar (Dizei” - WrÜm.ai.)o seu jugamento futuro. Assim fiéis são incentivados a olhar para trás e lembrar-se das grandes realizações do Senhor na história e para frente na esperança do seu Reino eterno que acontecerá em toda sua plenitude.
  A propagação aqui deveria ser feita “entre as nações”. O termo (~yI“AG - gôyim) no AT se refere aos povos “pagãos” ou “gentios” que ainda não faziam parte da aliança de Yahweh. Todavia, mesmo diante disso não se deve concluir que estes povos estivessem irremediavelmente perdidas, sem Yahweh e sem esperança. Pelo contrário, através do povo (“am”) da aliança, as bênçãos de Yahweh deveriam ser reveladas para as nações (“gôyim”) e a elas concedidas. Sendo assim, ex­pressão, “entre as nações”, significa que o Reino de Deus deveria ser proclamado fora do arraial de Israel, para que se cumprisse a promessa de Yahweh a seu servo Abrão: “de ti farei uma grande ‘nação’” (“gôi”, singular de “gôyim”). Gn. 12.2.
Após estas palavras, o poeta chega há um dos pontos mais altos do salmo que é a apresentação, em forma de uma afirmação enfática, de Yahweh como o Rei (já no presente) de toda a terra. Este é o assunto da última seção como veremos nesta última parte.

2.3.1.4. O Senhor é quem reina sobre o mundo e todas as criaturas 10 – 13 (10b – 13 ARA).


A expressão %l'ªm' hw"Üh«y> (Yahweh mâlak - “Yahweh Reina”), estar presente em quase todos os salmos de realeza ou de soberania e, como já dito, aponta para o motivo central dos mesmo, a saber, proclamar que Deus é Senhor Único do universo e da História.[74]  Sabe-se que diferente do português a ênfase verbal da língua hebraica está na qualidade de ação e não no aspecto temporal. Originalmente o verbo se encontra no “perfeito”, o qual traz a ideia de uma ação completa, e aqui traz a possibilidade de ser traduzido no presente, apontando para o fato que ele Reina.
Além disso, que “Yahweh Reina” é tanto uma mensagem consolo para Israel, como de juízo para as nações, como veremos a frente. De modo geral podemos dizer que esta seção contém, três grandes afirmações ligadas ao fato de que %l'ªm' hw"Üh«y> (Yahweh mâlak - “Yahweh Reina”): 1) Senhor já exerce o poder da realeza divina e isso é deve ser consolo e esperança para o seu povo; 2) o mundo criado é inabalável porque é Ele que o criou e o sustenta. 3) o Senhor vai “julgar” a terra e este julgamento “acertará as coisas”, punindo os maus e ajudando os justo(cf. Dt 32:36, Sl 135:14, Jó 35:14; Dn. 7:22 com Is 3:13-14; Sl. 50:4).[75] Analisaremos cada uma de forma separada.

1) Senhor  estar exercendo o poder da realeza divina.

%l'ªm' hw"Üh«y aponta para uma esperança que o povo tinha de que a vida social se realizaria de modo humano quando Deus se manifestasse interiramnete no meio dos homens, levando a sociedade à realização da justiça e a vivencia do direito.[76] Em outras palavras, quando ele soberanamente exercesse o seu reinado sobre toda a terra.
Além disso, o fato que  “Yahweh Reina” responde a questão levantada por Etã no final do livro III. O salmista mostra que embora a Deus permita que as nações se voltem contra o seu ungido (Sl. 2:1-3), em resposta a questão de Etã Salmo 89. 49 - 51 (“Que é feito, Senhor, das tuas benignidades de outrora, juradas a Davi por tua fidelidade? [...] Com que, SENHOR, os teus inimigos têm vilipendiado, sim, vilipendiado os passos do teu ungido”.) ele diz enfaticamente que Yahweh ainda reina e que essa notícia deveria ser dada as nações.
O salmista apresenta o fato, que em meio a todas estas coisas, Deus está sentado no trono, ele ordena que todos os acontecimentos segundo sua própria vontade, ele garante a realização de seus próprios propósitos. Neste aspecto o fato de Yahweh esta reinando traz um grande consolo ao seu povo. Todas as coisas que estavam acontecendo ao redor do seu povo e com o seu povo faziam parte do plano soberano do Rei dos reis. Todas as nações que se levantavam contra a casa de Davi eram apenas servas do Rei que governa sobre terra e céu. Além disso, elas serão julgadas e se algo for achado em falta condenadas por Ele mesmo. Assim, essa grande verdade deveria criar em Israel um sentimento de grande esperança de um reinado futuro marcas pela justiça e pela paz.

2) o mundo criado é inabalável, porque é Ele que o criou e o sustenta.

Segundo calvino, no que concerne à ordem da natureza, sabemos que o mundo foi divinamente estabelecido e fixado desde o princípio;[77] que o mesmo sol, lua e estrelas continuam a bri­lhar no céu, pois Deus quem os criou os sustenta pelo poder de sua palavra. O verbo “abalar” como presente aqui traz a ideia de algo que pode ser agitado e vim a balançar. Já o verbo “firmar” a raiz denota estar sentado firmemente ancorado com a certeza que não balançará. A primeira definição desta palavra se aplica a um telhado que é firmemente fixado em pilares, ou, algo alicerçado na rocha.
Assim, o Salmista mostra que Deus “firmou” (!AKåTi) o mundo para que não seja “abalado” (jAM+Ti). Em outras palavras, o poeta enfatiza que porque Yahweh é o verdadeiro Deus e criador da terra, o mundo está firmemente estabelecido, e sempre será imóvel. Com isso, ele mostra que os homens e seus reinos são incapazes de destruir o que Deus criou, pois todas as coisas feitas estão em suas mãos e é por ele são controladas.

3) o Senhor vai “julgar” a terra e fazer justiça. 

Em muitos contextos, o termo !ydIîy" (“julga”) tem um sentido jurídico. Normalmente descreve a atividade de uma pessoa que age como intermediário entre duas partes em conflito. O mediador (agindo como juiz e júri) ouve os argumentos das partes chegar a um veredicto justo e determinar as ações a serem tomadas.[78]  No contexto de Israel, bem como no contexto de outras nações, esta atividade estava ligada ao cargo real. Assim, o salmista diz que Deus como Rei do mundo execerá seu poder de juízo sobre toda a terra, inclusive sobre os reinos que ao longo da história se levantaram sobre o seu ungido (cf. Sl. 2). 
Direferente de muitos julgamentos terrenos que são injustos o salmista mostra que o de Yahweh será feito com ~yrI)v'ym (“equidade” - ARA). Este termo refere-se, a algo sem disniveis. Pode ser ilustrado como uma linha reta sem nenhuma saliencia. A ideia é que Yahweh julgará todos os povos com retidão. Segundo Calvino, o reino a ser intro­duzido seria distinguido pela justiça.[79]
Segundo Kim, os verbos nos versículos 11-12a não são morfologicamente imperativos. No entanto, as sentenças podem ser traduzidas no imperativo de significado se o dispositivo poético é “personificação”. Além disso, a maioria dos estudiosos concorda com a tradução como imperativos. [80] Com as palavras “regozijem-se os céus e a terra exulte”, o salmista convoca as coisas irracionais: as árvores, a terra, os mares e os céus a aderirem ao júbilo geral. Essa linguagem deve ser hiper­bólica, designada a expressar a aspiração e bem-aventurança de ser conduzido à fé em Deus. Ao mesmo tempo, ela denota que Deus não reina com terror nem como tirano, mas que seu poder é exerci­do serenamente de modo a difundir alegria entre seus súditos. Finalmente, porque seu julgamento é justo e a sua restauração será cósmica as árvores da floresta (v. 12) são convidadas a “regozijarem-se” com a vinda do Senhor.[81] Estes versículos nos fazem lembrar as palavras de Paulo em Romanos 8: 19-22, onde o Apostolo mostra que a criação geme atualmente sob a maldição, aguardando o dia da redenção, quando serão restaurados. 
Segundo Gill, estes versos apontam também, para a vinda do reino e de Cristo, onde os gentios se alegraram com a encarnação de Cristo, e se regozijam com a conversão até mesmo de um único pecador. Eles exultarão na vinda do reino e de Cristo, em todos os sentidos, na salvação que ele tem feito para fora; na justiça que ele trouxe, na visão dele, a glória de sua pessoa, e as riquezas da sua graça, no gozo da sua presença, na audiência do seu Evangelho, e as verdades confortáveis dele.[82] Obseve que até mesmo o bramido das ondas, que em muitas passagens bíblicas traz a ideia de terror, e aqui expressa a alegria.
O verso treze, encerra essa última seção, falando sobre a razão (yKiî “porque” - ARA) do que foi dito antes, isto é,  “ele (O SENHOR) vem”. A análise do duplo  éab'iî (“vem”) tem sido fruto de debate entre os comentaristas. Alguns leem como perfeito, outros preferem interpretá-lo como particípio.[83] Se os lermos como perfeito eles podem ser descritivo da ação característica (“ele vem”) ou se referir a um advento que já aconteceu, ou seja, “ele veio”.[84] A leitura como particípio, e não como um perfeito, expressa a ideia de uma “iminência”, e é mais próxima do conceito escatológico dos salmos de realeza. Esta é uma questão aberta e difícil de ser fechada, todavia creio que a leitura no perfeito, como tradicionalmente muitos estudiosos tem feito, também pode expressa a ideia escatológica do salmo, pois ele pode também ser traduzido no futuro. Independente da analise verbal, o duplo éab'iî (“vem”) enfatiza que a urgente vinda do Senhor, é o fato indispensável que o mundo e seu povo que deseja o reinado de Yahweh devem aceitar.
O poeta diz ainda que quando Ele vier, vai se manifestar como um juiz justo. A alusão parece ser um tempo futuro quando Deus viria a reinar entre os povos, para fazer justiça e para estabelecer a verdade. Este Reinado se refere propriamente ao reinado do Messias esperado, como é descrito nos salmos reais ou em outros salmos do Rei Davi, os quais normalmente apontam para o reino futuro de justiça e paz. Neste julgamento, todos os habitantes do mundo, pequenos e grandes, altos e baixos, ricos e pobres, escravos e livres, vivos e mortos, justos e injustos; serão julgados de acordo com a sua verdade.
Não há dúvidas que estas verdades se aplicam a Jesus Cristo. Deus Reina por meio de Cristo. Agostinho comentando este texto diz que Deus Reina através de Cristo. Por essa razão que 1400 anos depois, quando Martinho Lutero traduz a Bíblia alemã, disse que esta é uma profecia acerca do reino de Cristo e da propagação do evangelho no mundo inteiro.O Novo Testamento confima esta verdade quando nos mostra um Cristo que reina (no presente) no céu, a destra do Pai, e deve reinar até que todos os inimigos sejam colocados debaixo de seus pés. Além disso, Ele é o Rei e por essa razão o Juiz vindouro (futuro). Ele voltará em poder e glória, para julgar as nações (Apocalipse 19: 11-16). Ele veio pela primeira vez como o Salvador humilde, para morrer pelos pecados dos que o Pai lhe confiou, mas Ele voltará para Juiz para julgar a todos.

PARTE III

APLICAÇÃO PARA A VIDA DA IGREJA


3.1. APLICAÇÃO

Como vimos a riqueza literária, exegética e teológica do salmo 96 são de uma grandeza sem tamanho. A sua aplicação a vida da igreja não foge a esta regra. Está poesia pode ser aplicada em varias áreas da igreja contemporânea, aqui nos ateremos apenas a algumas.
3.1.1. Na liturgia dos cultos públicos – O salmo 96 traz relevantes diretrizes para a adoração no culto público. Ele mostra tanto as razões, como o conteúdo para a adoração a Yahweh. A igreja deve adorá-lo porque Ele é o único Deus digno desse louvor, pois é o criador e sustentador de todas as coisas criadas, enquanto todos os outros deuses são apenas ídolos.
3.1.2. No aconselhamento bíblico – Como dissemos o salmo 96 é uma rica fonte de consolo para todos que fazem parte da aliança. Ele apresenta Yahweh como o Deus que governa soberanamente sobre todas as coisas. Porque tudo está sobre as suas mãos, seus servos podem descansar em seu cuidado. Ele é o Rei que está presente em todo lugar e situação.  Desde que Deus prometeu estar conosco, não precisamos temer um futuro incerto. Por mais que os inimigos se levante contra os seus, ele continua no controle de tudo e todos.
3.1.3. No contexto político da nação brasileira – Durante o processo eleitoral muitos líderes evangélicos foram a TV, aos rádios e aos jornais, dizer para os evangélicos, que eles deveriam votar contra o certo partido, pois se a candidata fosse eleita muitas coisas sairiam do controle. Horton, mostra essa ideia quando diz que “nós pensamos que se a pessoa errada estiver na presidência, temos a impressão de que o universo está fora do nosso controle, como se Deus dependesse de nós e de nossas maquinarias para a realização do seu Reino.”[85]  Este salmo mostra que Deus reina sobre tudo e até mesmo os que se levantam contra o seu povo são seus servos.
3.1.3. No mundo pós-moderno - Nesse mundo onde se crer em tudo, devemos dizer que só há um Deus verdadeiro. O mundo pós-moderno é marcado pelo pluralismo. Para os pluralistas a multiplicidade de conceitos sobre o exercício da fé, das crenças (Deísmo, Teísmo, ateísmo, politeísmo, seja quanto for), compreende a essência do pensamento humano e seu direito em crer ou deixar de crer no que quiser, sem ser discriminado por isso. A crença do individuo e sua verdade. Para eles pode-se até dialogar, desde que aja “tolerância”, o que para eles é quase um sinônimo de concordância. Esse salmo nos ensina que nossa “tolerância” termina onde a verdade absoluta começa. A mensagem que ele nos apresenta é uma mensagem que não é politicamente correta. Ele diz que Deus é o único Deus e os deuses são ídolos que não são nada. Como cristão devemos ter uma postura apologética em relação a este assunto. É necessário, que as verdades e as singularidades do cristianismo sejam afirmadas publicamente e levadas à prática.

3.1.4. Na evangelização - A missão de anunciar não é uma opção, mas uma mandato. Este salmo mostra-nos que o cumprimento da missão não é uma opção da igreja, mas uma ordem vinda do próprio Deus. Como vimos este salmo é guiado por imperativos, que expressam uma ordem, neste caso vinda do próprio Deus. Esta ideia era clara para missionária Sofia Muller quando disse: “Eu não tive um chamado, eu li uma ordem e obedeci”.


3.2. RELAÇÃO DO SALMO 96 COM A PESSOA E OBRA DE CRISTO.


3.2.1. A expansão do Reino de Deus -  O que esse salmo propõe (anunciar entre as nações a boas novas do céu), só é possivel em Cristo, e de modo especial após o derramamento do Espírito Santo. (Cf. Mateus 28. 18 – 20; Atos 1.8; 2. 37 – 41).
3.2.2. Cristo é o Salvador do mundo – Não há outro meio de salvação senão por meio de Cristo. Essa boa nova que deve ser dita hoje para todas as nações (At. 4: 12).
3.2.3. Jesus é o Rei dos Reis – Deus Reina por meio de Cristo – Agostinho comentando este texto diz que Deus Reina através de Cristo. O NT nos mostra um Cristo que reina no céu, a destra do Pai, e deve reinar até que todos os inimigos sejam colocados debaixo de seus pés.
3.2.4. A Redenção de Cristo tem extensões cósmicas – Ele restaurar todas as coisas do cosmo.
3.2.5. Cristo é o Juiz vindouro - Ele voltará em poder e glória, para julgar as nações. (Ap. 19: 11-16). Ele veio pela primeira vez como o Salvador humilde, para morrer pelos nossos pecados, mas Ele voltará para Juiz para julgar a todos.

 


CONCLUSÃO

Agora que chegamos juntos ao fim deste trabalho, esperamos ter lançado luz sobre a o entendimento da poesia hebraica encontrada no salmo 96. Como dissemos não pretendíamos aqui esgotar o assunto em sua inteireza, pois o mesmo é amplo. Está pesquisa se esforçou em estudar e entender o real sentido do texto, afim de que, por meio de uma linguagem entendível a todos, aplicar as verdades estudadas ao contexto atual da igreja.
Nesta exegese nos aproximamos do texto através do método histórico-gramatical-teológico, analisando os aspectos textuais tais como estudo gramatical, análises lexicográficas e tradução. Procuramos entender também, os aspectos relacionados os contextos histórico e literário da época da escrita, por meio do estudo do gênero literário, o qual foi par entender à estrutura interna do próprio texto, aqui dividido em três seções.
A conclusão que chegamos é que a mensagem desta poesia é que: Israel e todas as nações devem louvar ao SENHOR, atribuí-lhe glória e anunciar seu Reino, porque Ele é o único Deus grande e glorioso Rei, enquanto os ídolos não são nada.
Por isso, o texto tem implicações Cristocêntrica, as quais são vistas na ação soberana, gracioso e salvífico de Deus, que por meio de sua igreja estendeu a sua promessa de salvação feita a Abraão, a qual, em Cristo se estende a todos os povos, que agora também têm todos os tipos de bênçãos espirituais e matérias da nova aliança. Pois, Jesus Cristo, na qualidade de semente de Abraão, estendeu a nós tais bênçãos.[86] Hoje também esperamos Nele a manifestação do seu Reino onde os remidos cantarão por toda a eternidade este novo cântico. Amém.


BIBLIOGRAFIA



APOSTILAS.

LADEIA, Donizeti Rodrigues, Manual Metodológico para produção de monográfica: Anotações de Aulas, da matéria metodologia, apresentadas no Seminário Teológico José Manuel da conceição. São Paulo. 2° Semestre 2010. 48 p.

LADEIA, Donizeti Rodrigues, Guia para Confecção de Projeto de Pesquisa: Anotações de Aulas, da matéria metodologia, apresentadas no Seminário Teológico José Manuel da conceição. São Paulo. 1° Semestre 2008. 08 p.

ARTIGO

BOSMA, Carl J. Discernindo as Vozes nos Salmos: Uma discussão de Dois Problemas na Interpretação do Saltério. In: FIDES REFORMATA, julho-dezembro, 2004, Vol. IX, Nº 2.

BÍBLIAS:

A Bíblia de Jerusalém. Nova edição rev. E ampl. São Paulo: Paulus, 1985.

A BÍBLIA VIDA NOVA. Editor responsável: Russel P. Schedd. Antigo e Novo Testamento traduzido por João Ferreira de Almeida. 2 ed. São Paulo,  Editora Vida Nova, 1988. 1065 pp.

BÍBLIAS DE ESTUDO GENEBRA. Editor Geral: R. C. Sproul. Editor em português: Cláudio Antônio Batista Marra. Antigo e Novo Testamento traduzido por João Ferreira de Almeida. 2 ed. Revista e atualizada. São Paulo e Barueri, Cultura Cristã e Sociedade Bíblica do Brasil, 1999. 1728 pp.

BÍBLIA. Português. Bíblia On-line: módulo básico expandido. Versão 3.0. Sociedade Bíblica do Brasil, 2002. 1 CDROM.


DICIONÁRIOS:

BROW, DRIVER AND BRIGGS. A Hebrew and English Lexicon of the Old Testament. Oxford: Claredon Press, 1974. Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.

FERREIRA, Aurélio. Buarque de Holanda. Minidicionário da Língua Portuguesa. 3 ed., Rio de Janeiro, Editora Nova Fronteira S.A., 1993. 557pp.

LAIRD HARRIS, R. et al. Dicionário internacional de teologia do antigo testamento. São Paulo, Vida Nova, 1998. p. 90.

STRONG. Dicionário Bíblico Strong-Léxico Hebraico, Aramaico e Grego - Sociedade Bíblica do Brasil. Disponível na bíblia E-sword

VINE, W. E. Vine's expository dictionary of Old & New Testament words. Nashville: T. nelson publishers, 1997. Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.

ENCICLOPÉDIA:

ENCICLOPÉDIA da Bíblia. São Paulo: Cultura Cristã, 2008. 5 v.

LIVROS:

ANGLADA, Paulo. Introdução à Hermenêutica Reformada. Ananindeua. Knox Publicações. 2006.

ARNOLD, Bill T. Descobrindo o antigo testamento. Editora Cultura Cristã, 2001. 527 p.
Beasley-Murray, G. R. Vol. 36: Word Biblical Commentary: Psalm. Word Biblical Commentary. Dallas: Word, Incorporated. 2002

BARNES, Albert, Notes on the Bible (Baker Books, Grand Rapids, MI, reprinted from the 1847 edition). Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.

BRIGHT, John. História de Israel. São Paulo: Paulinas, 1978.

BRUEGGEMANN, W. Israel’s Praise. Minneapolis: Augsburg, 1984.p. 32.

CALIXTO, José Kleber Fernandes. Livros Poéticos. Apostila elaborada para acompanhamento, leitura e debates nas aulas de Livros Poéticos. Instituto Bíblico Eduardo Lane (IBEL) – Patrocínio – MG. 2° semestre de 2003. P. 30

CALVINO, João. O livro dos Salmos: volume 3 : salmos de 69-106. São Paulo: Parakletos, 2002. P. 523

D.M. Lloyd-Jones, A Cruz: A Justificação de Deus, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, (s.d.), p. 9-10).

ELLISEN, Stanley A. Conheça melhor o antigo testamento: esboços e gráficos interpretativos. 1999 São Paulo: Vida, 1999. 371 p.

FRANCISCO, Edson de Faria, Manual da Bíblia hebraica: introdução ao texto massorético, São Paulo-SP: Edições Vida Nova, 2003.

FEE, Gordon D.; STUART, Douglas. Entendes o que lês?: Um guia para entender a Bíblia com o auxílio da exegese e da hermenêutica. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1991. p. 184

GILL, John. Exposition of the Old and New Testaments: Complete and Unabridged. Baptist Standard Bearer, 2006.

GRONINGEN, Gerard Van. Criação e Consumação. Volume I. Trad. Denise Meister São Paulo: Cultura Cristã, 2002. 654 p

HANKO, Ronald. Doctrine according to Godliness, Reformed Free Publishing Association, pp. 90-91

HORTON, Michael S. O cristão e a cultura. 2. ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2006. 206 p.

HILL, Andrew E.; WALTON, John H. Panorama do Antigo Testamento. São Paulo: Vida Acadêmica, 2007. 684 p.

JAMIESON, Robert; FAUSSET, A. R.; BROW, David. Commentary practical and explanatory on the whole Bible. Rev. ed. Grand Rapids: Zondervan, 1973.

JOSEFO, Flavio. Seleções de Flávio Josefo: autobiografia, resposta a ápio, antiguidades judaicas, as guerras judaicas. São Paulo: Edameris, 1974. 319 p.

LASOR, William Sanford; BUSH, Frederic W.; HUBBARD, David A. Introdução ao antigo testamento. São Paulo: Vida Nova, 1999. xix, 851 

NELSON, Thomas. Manual Bíblico de mapas e gráficos. São Paulo: Cultura Cristã, 2003 384 p.

PRATT, Richard L, Ele nos deu Histórias: um guia completo para a interpretação de historias do Antigo Testamento, São Paulo-SP: Cultura Cristã, 2004.

KAISER, Walter C. Jr. e Moisés Silva. Introdução À Hermenêutica Bíblica. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2003. 288 p.

Keil, C.F. and F. Delitzsch, Commentary on the Old Testament in Ten Volumes, Vol. 1, The Pentateuch (Wm. B. Eerdmans Publishing Co., Grand Rapids, MI, reprinted 1976).

KELLEY, Page H. Hebraico Bíblico: uma gramática introdutória. 3. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2002. 452 p

ROSS, P. Creation & Blessing (Grand Rapids: Baker, 1988 [2002 ed.])

RINGGREN, H. Behold Your King Comes. VT 24 (1974) 207–11.

Schultz, Samuel J. A história de Israel no Antigo Testamento. Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1984. 413 p.

STOTT, John R. W. Missões Transculturais: Uma Perspectiva Bíblica, de Ralph D. Winter e S.C. Hawthorne. (organizadores). Ed. Mundo Cristão. São Paulo, SP: 1996.

WALTKE, Bruce K.; Michael P. O’Connor. Introdução à sintaxe do hebraico bíblico. São Paulo: Cultura Cristã. 765 p.

REVISTA

CARDOSO, D. A. . Expressão Revista Aluno - Hinos e Poesias: estudos bíblicos em Salmos e Cânticos dos Cânticos. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2010 (Revista de Escola Dominical).

INTERNET

BULLINGER, E.W.  Figures of Speech used in The BibleDisponível em: <http://bible.zoxt.net/bil/bil.htm> Acessado em: 05/10/2010.

CONSTABLE, Thomas L. Notes on Psalm. Comentário em pdf. Disponível em: <http://www.soniclight.com/constable/notes/pdf/psalms.pdf> Acessado em: 04 de outubro de 2010.

KIM, Woon Han. A study on the sermonic application for the lord’s reign based on the text of the psalm. Disponível em: acessado em: 02/10/2010




[1] Cf. FRANCISCO, Edson de Faria, Manual da Bíblia hebraica: introdução ao texto massorético, São Paulo-SP: Edições Vida Nova, 2003.
[2]Ibid.
[3] Ibid.
[4] Cf. Ringgren, H. “Behold Your King Comes.” VT 24 (1974) 207–11.
[5] Cf. Beasley-Murray, G. R. Vol. 36: Word Biblical Commentary: Psalm 96. Word Biblical Commentary. Dallas: Word, Incorporated. 2002
[6] Ibid
[7] Quando as justificativas para as nuançais de tradução veja breve descrição no tópico a seguir – outras versões.
[8] Cf. STRONG. Dicionário Bíblico Strong-Léxico Hebraico, Aramaico e Grego - Sociedade Bíblica do Brasil. Disponível na bíblia E-sword.
[9] Segundo Fee “o assunto principal é tratar a soberania universal do SENHOR”. Cf. FEE, Gordon D.; STUART, Douglas. Entendes o que lês?: Um guia para entender a Bíblia com o auxílio da exegese e da hermenêutica. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1991. p. 184
[10] Cf. Beasley-Murray, G. R. Vol. 36: Word Biblical Commentary: Psalm 96. Word Biblical Commentary. Dallas: Word, Incorporated. 2002
[11] Cf. KIM, Woon Han. A study on the sermonic application for the lord’s reign based on the text of the psalm: A Thesis Project Submitted to Liberty Baptist Theological Seminary in partial fulfillment of the requirements for the degree doctor of ministry. Disponível: <http://digitalcommons.liberty.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1305&context=doctoral> acessado em: 02/10/2010
[12] A palavra “maravilhas” no troco verbal que se encontra traz a ideia de algo que estar “além da capacidade de alguém”, “ser difícil de fazer”. Em outras palavras coisas grandiosas que somente Deus poderia fazer e que é tão extraordinário que muitas vezes foge a compreensão humana. Cf. STRONG. Dicionário Bíblico Strong-Léxico Hebraico, Aramaico e Grego - Sociedade Bíblica do Brasil. Disponível na bíblia E-sword
[13] Idem
[14] Porém com a ideia de não verbal cf.: Op cit 1

[15] Idem
[16] Cf. KIM, Woon Han. A study on the sermonic application for the lord’s reign based on the text of the psalm: A Thesis Project Submitted to Liberty Baptist Theological Seminary in partial fulfillment of the requirements for the degree doctor of ministry. Disponível: <http://digitalcommons.liberty.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1305&context=doctoral> acessado em: 02/10/2010
[17] Ibid
[18] O nome próprio hw"÷hy> (SENHOR) aparece mais de 6.800 vezes (sozinho ou em conjunção com outro “nome”) no texto hebraico do Antigo Testamento. A palavra hw"÷hy> é usada no Pentateuco para descrever  o Deus familiar, o “Deus de Abraão, de Isaque e Jacó”, protetor da linhagem do “descendente” de Abraão. É o Deus Libertador do povo de Israel da escravidão no Egito e quem o faz conquistar a terra de Canaã. Para tal, revela-se a Moisés, a quem entrega os seus Dez Mandamentos no monte Sinai. Este nome sempre foi conhecido e respeita pelos judeus. A importância teológica do nome hw"÷hy> decorre do fato de seu nome ser identificado como um nome pessoal de um ser divino. Além disso, a Escritura fala de hw"÷hy> como um “nome glorioso e temível”  ou simplesmente o “nome” que denota a proximidade de Deus, a sua preocupação para o homem caído e a sua revelação de sua aliança redentora. Por fim, hw"÷hy> é especialmente utilizada nas referências ao Deus de Israel, o Deus do “pacto”. Cf. Antiguidades Judaicas, Vol. II, p. 276; Cf. Também: LAIRD HARRIS, R. et al. Dicionário internacional de teologia do antigo testamento. São Paulo, Vida Nova, 1998. p. 345 – 348. - Cf. Finalmente: GRONINGEN, Gerard Van. Criação e Consumação. Volume I. Trad. Denise Meister São Paulo: Cultura Cristã, 2002. P. 283
[19] Nos versos 10-13, apesar de termos uma variação entre 3ª pessoa masculino singular e 2ª pessoal masculino plural, os temas principais estão na 3ª.

[20] Sitz im Leben é uma expressão alemã utilizada na exegese de textos bíblicos. Traduz-se comumente por “contexto vital”. De uma forma simples, o Sitz im Leben descreve em que ocasião uma determinada passagem da Bíblia foi escrita.
[21] LIVINGSTON, G. H. In: ENCICLOPÉDIA da Bíblia. São Paulo: Cultura Cristã, 2008. 5 v.
[22] LASOR, William Sanford; BUSH, Frederic W.; HUBBARD, David A. Introdução ao antigo testamento. São Paulo: Vida Nova, 1999. xix, 851 
[23] Compare cp. SI 24.3 com 2 Sm. 6.6-10
[24] Cf. LIVINGSTON, G. H. In: ENCICLOPÉDIA da Bíblia. São Paulo: Cultura Cristã, 2008. 5 v.
[25] As cito aqui quase em sua integra.
[26] Cf. SI 24. l
[27] Cf. 95.6,7
[28] Consideravelmente, o trabalho de Gunkel e Mowinckel tem um ponto fraco que é restringir a uma classificação específica, “Salmos de entronização de Yahweh”. De fato, os poetas representam vários conteúdos por meio de seus linguagem dentro dos Salmos. O conteúdo incluir não só a entronização de Yahweh, mas também as obras maravilhosas do Senhor, tais como a criação, a majestade, a justiça, e a justiça do Senhor. Se restringirmos os Salmos apenas como “Salmos entronização” nós poderíamos perder o conteúdo do imenso poder do Senhor. Ver: Acessado em: 30/09/2010
[29] FEE, Gordon D.; STUART, Douglas. Entendes o que lês?: Um guia para entender a Bíblia com o auxílio da exegese e da hermenêutica. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1991. p. 184
[30] Cf. CALIXTO, José Kleber Fernandes. Livros Poéticos. Apostila elaborada para acompanhamento, leitura e debates nas aulas de Livros Poéticos. Instituto Bíblico Eduardo Lane (IBEL) – Patrocínio – MG. 2° semestre de 2003. P. 30
[31] Grande parte das ideias do presente contexto é fruto das anotações de aulas de exegese de salmos, ministradas pelo Prof. Rev. Dario Cardoso, bem como do seu material escrito em: CARDOSO, D. A. . Expressão Revista Aluno - Hinos e Poesias: estudos bíblicos em Salmos e Cânticos dos Cânticos. São Paulo: Editora Cultura Cristã, 2010 (Revista de Escola Dominical).
[32] Este tem sido um ponto passivo para a maioria dos estudiosos contemporâneo.
[33] Op cit 31
[34] Op cit 31
[35] Idem
[36] BOSMA, Carl J. Discernindo as Vozes nos Salmos: Uma discussão de Dois Problemas na Interpretação do Saltério. In: FIDES REFORMATA, julho-dezembro, 2004, Vol. IX, Nº 2. p.10
[37] Idem
[38] Cf. KELLEY, Page H. Hebraico Bíblico: uma gramática introdutória. 3. ed. São Leopoldo: Sinodal, 2002.
[39] Cf. Beasley-Murray, G. R. Vol. 36: Word Biblical Commentary: Psalm 96. Word Biblical Commentary. Dallas: Word, Incorporated. 2002
[40] Cf. BRUEGGEMANN, W. Israel’s Praise. Minneapolis: Augsburg, 1984.p. 32.
[41] Ibid
[42] Cf. STRONG. Dicionário Bíblico Strong-Léxico Hebraico, Aramaico e Grego - Sociedade Bíblica do Brasil. Disponível na bíblia E-sword
[43] Ibid
[44] É digno de nota que Gill ao comentar este salmo, o analisa do primeiro ao ultimo verso a luz de Cristo. Por essa razão ele despreza muitos dos aspectos importantes para o contexto da época da escrita. Isso faz o seu comentário, neste salmo, mais um estudo teológico e sistemático do que exegético e analítico. Veja: GILL, John. Exposition of the Old and New Testaments: Complete and Unabridged. Baptist Standard Bearer, 2006.

[45] CALVINO, João. O livro dos Salmos: volume 3 : salmos de 69-106. São Paulo: Parakletos, 2002. P. 521.
[46] Keil, C.F. and F. Delitzsch, Commentary on the Old Testament in Ten Volumes. Psalms (Wm. B. Eerdmans Publishing Co., Grand Rapids, MI, reprinted 1976).
[47] É digno de nota que o que esse salmo propoe (anunciar entre as nações a boas novas do céu), só é possivel em Cristo, e de modo especial após o derramamento do Espírito Santo. (Cf. Mateus 28. 18 – 20; Atos 1.8; 2. 37 – 41).
[48] Como já dissemos há uma semelhança muito grande quanto a estrutura dos cânticos de louvor e os hinos de realeza ou soberania. Para uma análise mais detalhada desta questão veja: FEE, Gordon D.; STUART, Douglas. Entendes o que lês?: Um guia para entender a Bíblia com o auxílio da exegese e da hermenêutica. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1991. p. 184
[49] LAIRD HARRIS, R. et al. Dicionário internacional de teologia do antigo testamento. São Paulo, Vida Nova, 1998. P. 248.
[50] VINE, W. E. Vine's expository dictionary of Old & New Testament words. Nashville: T. nelson publishers, 1997. Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.
[51] Por exemplo, uma falsa visão ou profecia sobre a qual não se pode pôr nenhuma dependência, chama-se “elil”, (“algo de nenhum valor”) [Jr 14.14], e um pastor que abandona seu rebanho e, em vez de visitá-lo, curá-lo e nutri-lo, o devora e o dilacera, é chamado em Zacarias 11.15, 16 um pastor “haelil”, (“de nenhum présti­mo”). Neste sentido a palavra é usada para os falsos deuses dos pagãos. Em vez de serem ~yhi(l{a, (elohim, deuses), são ~yli_ylia ('ĕlı̂ylı̂ym, mero nada). Por conseguinte, Paulo, em l Coríntios 8.4, fala de um ídolo como sendo “nada no mundo”. CF. CALVINO, João. O livro dos Salmos: volume 3 : salmos de 69-106. São Paulo: Parakletos, 2002. p. 517. Nota 6.
[52] BULLINGER, E.W.  Figures of Speech used in The BibleDisponível em: <http://bible.zoxt.net/bil/bil.htm> Acessado em: 05/10/2010.
Ver também: Cf. KIM, Woon Han. A study on the sermonic application for the lord’s reign based on the text of the psalm: A Thesis Project Submitted to Liberty Baptist Theological Seminary in partial fulfillment of the requirements for the degree doctor of ministry. Disponível: <http://digitalcommons.liberty.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1305&context=doctoral> acessado em: 02/10/2010
[53] Ibid
[54] CALVINO, João. O livro dos Salmos: volume 3 : salmos de 69-106. São Paulo: Parakletos, 2002. P. 517, nota 6.
[55] Ibid
[56] Cf. Beasley-Murray, G. R. Vol. 36: Word Biblical Commentary: Psalm. Word Biblical Commentary. Dallas: Word, Incorporated. 2002
[57] Op cit 14
[58] Cf. BARNES, Albert, Notes on the Bible (Baker Books, Grand Rapids, MI, reprinted from the 1847 edition). Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.
[59] Entendemos que esta seção, para fins exegéticos, vai até verso 10ª (ARA). Na presente exegese 9c como analisada na delimitação de cláusulas.
[60] CALVINO, João. O livro dos Salmos: volume 3: salmos de 69-106. São Paulo: Parakletos, 2002. P. 520.
[61] LAIRD HARRIS, R. et al. Dicionário internacional de teologia do antigo testamento. São Paulo, Vida Nova, 1998. p. 601.
[62] Ibid, p. 1601.
[63] Cf. BARNES, Albert, Notes on the Bible (Baker Books, Grand Rapids, MI, reprinted from the 1847 edition). Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.
[64] Os objetivos desse tipo de paralelismo são triplos: 1º Despertar a atenção do ouvinte para o que será dito em seguida (segunda linha) 2º Uma vez que a atenção e curiosidade estão despertadas pela natureza incompleta da primeira linha, o ouvinte se sente compelido a saber o resultado. 3º Com isso enfatizar o que é dito na segunda linha. Cf. KIM, Woon Han. A study on the sermonic application for the lord’s reign based on the text of the psalm. Disponível em: <http://digitalcommons.liberty.edu/cgi/viewcontent.cgi?article=1305&context=doctoral> acessado em: 02/10/2010
Cf. também CALIXTO, José Kleber Fernandes. Livros Poéticos. Apostila elaborada para acompanhamento, leitura e debates nas aulas de Livros Poéticos. Instituto Bíblico Eduardo Lane (IBEL) – Patrocínio – MG. 2° semestre de 2003. P. 30
[65] VINE, W. E. Vine's expository dictionary of Old & New Testament words. Nashville: T. nelson publishers, 1997. Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.
[66] Idem
[67] CALVINO, João. O livro dos Salmos: volume 3 : salmos de 69-106. São Paulo: Parakletos, 2002. P. 521.
[68] Cf. Beasley-Murray, G. R. Vol. 36: Word Biblical Commentary: Psalm 96. Word Biblical Commentary. Dallas: Word, Incorporated. 2002
[69] Idem.
[70] Idem.
[71] LAIRD HARRIS, R. et al. Dicionário internacional de teologia do antigo testamento. São Paulo, Vida Nova, 1998. p. 90.
[72] BROW, DRIVER AND BRIGGS. A Hebrew and English Lexicon of the Old Testament. Oxford: Claredon Press, 1974. Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.
[73] VINE, W. E. Vine's expository dictionary of Old & New Testament words. Nashville: T. nelson publishers, 1997. Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.
[74] FEE, Gordon D.; STUART, Douglas. Entendes o que lês?: Um guia para entender a Bíblia com o auxílio da exegese e da hermenêutica. São Paulo: Sociedade Religiosa Edições Vida Nova, 1991. p. 184
[75] Cf. Beasley-Murray, G. R. Vol. 36: Word Biblical Commentary: Psalm. Word Biblical Commentary. Dallas: Word, Incorporated. 2002
[76] Cf. CALIXTO, José Kleber Fernandes. Livros Poéticos. Apostila elaborada para acompanhamento, leitura e debates nas aulas de Livros Poéticos. Instituto Bíblico Eduardo Lane (IBEL) – Patrocínio – MG. 2° semestre de 2003. P. 30
[77] CALVINO, João. O livro dos Salmos: volume 3 : salmos de 69-106. São Paulo: Parakletos, 2002. P. 521
[78] VINE, W. E. Vine's expository dictionary of Old & New Testament words. Nashville: T. nelson publishers, 1997. Disponível na Bíblia eletrônica e-sword.
[79] CALVINO, João. O livro dos Salmos: volume 3 : salmos de 69-106. São Paulo: Parakletos, 2002. P. 523
[80] Ver: KIM, Woon Han. A study on the sermonic application for the lord’s reign based on the text of the psalm. Disponível em: acessado em: 02/10/2010
[81] Cf. Beasley-Murray, G. R. Vol. 36: Word Biblical Commentary: Psalm. Word Biblical Commentary. Dallas: Word, Incorporated. 2002
[82] GILL, John. Exposition of the Old and New Testaments: Complete and Unabridged. Baptist Standard Bearer, 2006.
[83] Como é o caso de Delitzsch, Gunkel, Kraus dentre outros.
[84] Cf. Idem apud RINGGREN, H. “Behold Your King Comes.” VT 24 (1974) 207–11.
[85] HORTON, Michael S. O cristão e a cultura. 2. ed. São Paulo: Cultura Cristã, 2006. 206 p.
[86] Cf. STOTT, John R. W. Missões Transculturais: Uma Perspectiva Bíblica, de Ralph D. Winter e S.C. Hawthorne. (organizadores). Ed. Mundo Cristão. São Paulo, SP: 1996.

Um comentário:

  1. Pessoal. Nosso blog agora tem uma livraria online com FRETE GRÁTIS para TODO Brasil: Entre aí: https://livraria.kerygma21.com.br/

    ResponderExcluir

Jailson Santos

Mestrando em Divindade pelo Centro de pós-graduação Andrew Jumper (Mackenzie - São Paulo)

Bacharel em Teologia pelo Seminário JMC e Universidade Presbiteriana Mackenzie

Pastor auxiliar na Igreja Presbiteriana Aliança em Limeira - SP

Professor de teologia sistemática no SPFB

Imagens de tema por richcano. Tecnologia do Blogger.